Aula Espetáculo Ariano Suassuna

Densidade nutricional e “superfoods”

Nos últimos dias, algumas perguntas de leitores aqui e nas redes sociais me chamaram atenção para a necessidade de alguns rápidos esclarecimentos.

As perguntas diziam respeito à suposta vantagem de consumir açúcar mascavo ou caldo de cana, pois possuem “muito mais nutrientes” do que o açúcar refinado, e à necessidade ou conveniência de consumir produtos exóticos como “geléia real” ou goji berry – as chamadas “superfoods“.

No que diz respeito à primeira dúvida, fiquei pensando e cheguei à conclusão de que é um problema de dificuldade de alguns leitores com matemática. Veja, o açúcar refinado é quase que sacarose pura – contém traços infinitesimais de qualquer outro nutriente.

http://www.lowcarb-paleo.com.br/2015/06/densidade-nutricional-e-superfoods.html

PharoJS: Develop in Pharo, Run on JavaScript

PharoJS is a Pharo to JavaScript compiler and infrastructure for remote test and debugging. The goal is to enable developing apps in Pharo while deploying them on top of a JavaScript engine. It is a general purpose solution. For example, PharoJS can be used to develop client side web applications. It can also be used to support cross-platform mobile apps based on Phone Gap.

http://car.mines-douai.fr/pharojs/

Baby Mock 2: a visual mock object library for Pharo Smalltalk

BabyMock is a visual mock object library for Pharo Smalltalk, that supports test-driven development. Like other mock object libraries, BabyMock lets you design and test the interactions between the objects in your programs. BabyMock makes these interactions visible, which can help you to get a good mental picture about the object relationships and the inter-object protocol.

http://smalltalkhub.com/#!/~zeroflag/BabyMock2

Planeta dourado

planeta-dourado Quando chegamos naquele lindo planeta matizado de dourado ficamos impressionados com aqueles seres inteligentes que conseguiram dominar totalmente aquele astro. Espalhavam-se por todos os lugares nas partes mais baixas daquela terra e algumas espécies estavam conseguindo dominar aos poucos as montanhas. A custa da extinção de outra espécie, cuja simbiose temporária foi usada para vencer as outras competidoras, obtiveram para si o planeta. Vivendo melhor onde a catástrofe impera sequestraram a vocação para a destruição da outra espécie. Agora, vítimas da falta de bio diversidade que promoveram, caminham para o próprio holocausto. São mudas e não podem dar seu testemunho da história que se desenrolou naquele lugar. Mas a espécie que foi sua agente de destruição, orgulhosa de seus feitos desastrosos, deixou muitos testemunhos que nos custa decifrar, não pelas dificuldades técnicas, mas pelo extremo grau de insanidade. Descobrimos que a espécie vencedora servia de alimento para a orgulhosa espécie que dizia dominar o universo. Esta versão precisamos inverter para entender o que aconteceu. Quem comeu quem está claro. Claramente inscrito naqueles campos infindáveis onde balouçam à brisa aquelas espigas douradas…

O texto acima poderia ser uma introdução a um romance de ficção científica e fantasia, como agora se costuma chamar este tipo de literatura. No entanto é uma alegoria um tanto exata de um cenário emblemático onde uma arqueologia só seria viável por alienígenas que chegassem no futuro ao planeta Terra. Lierre Keith, em seu The Vegetarian Myth, discute de forma brilhante o conceito de sustentabilidade contrapondo à política do vegetarianismo sua crítica que demonstra o quão equivocados e ingênuos, descartada a hipótese de má fé, são em relação à alimentação tanto do ponto de vista do conhecimento de como processamos os alimentos em nosso corpo quanto da origem enviesada da produção não-local do que comemos. Cita Manning, autor do livro Against the Grain: How Agriculture Has Hijacked Civilization e do artigo O petróleo que comemos – Seguindo a cadeia alimentar até o Iraque, quando mostra a dependência da agricultura em relação aos combustíveis fósseis:

Desde que ficou sem terra arável, a comida é petróleo “, escreve Richard Manning. A típica fazenda em 1940 “, produzia duas calorias de energia de alimentos para cada caloria de energia fóssil utilizada. Por volta de 1974 … essa relação era de 1:1. “A partir de agora, é preciso mais do que uma caloria de combustível fóssil para produzir uma caloria de energia alimentar para os seres humanos, em algo entre quatro e dez calorias de combustível fóssil para uma caloria de alimento. O combustível fóssil está tanto no fertilizante quanto nos pesticidas, e é essencial para a maquinaria necessária para plantar, colher, processar e transportar grãos. Ao todo, um hectare de milho bebe cinqüenta litros de óleo.

Antes de ser somente uma questão alimentar ligada a uma busca por mais saúde é uma luta política que ultrapassa e torna obsoleto o antagonismo capitalismo versus socialismo se considerarmos que ambos não endereçam a questão da sustentabilidade do planeta de forma radical. O antagonismo temático parece, segundo a ótica da crítica à agricultura surgida no neolítico, deslocar-se para civilização versus anti-civilização. A análise científica baseada na paleontologia, antropologia, evolução e a medicina, incluindo a nutrição adequada como arma preventiva às doenças, converge, não sem o embate dos interesses, se se souber fazer uma leitura integrada de vários fatos, para mostrar que “há algo de podre no reino da Dinamarca” e é comida “que não apodrece”. A questão do ativismo pela sustentabilidade do ambiente face a nossa inserção nele é tremendamente complexa para ser facilmente assimilada. É uma questão global que para ser analisada exige um interesse e curiosidade que nem sempre está disponível na maioria dos indivíduos que se habituaram às respostas prontas e simplistas de fácil absorção. Os vegetarianos adeptos da hipótese da sustentabildade baseada puramente na agricultura fazem, as vezes de forma anti-ética e enganosa, uma propaganda, baseada nos supostos benefícios para a saúde da dieta que propalam, envolta em “moralina” que defende estar lutando por menos sofrimento dos animais. Só se for da vacas pois em relação aos animais selvagens, deslocados pela agricultura de grãos, não são capazes de construir nenhum raciocínio de valor. Citando Maning:

(…) o caso dos vegetarianos pode ser decomposto em alguns pormenores. Em questões de moral, os vegetarianos afirmam que os seus hábitos são mais benévolos para com os animais, embora seja difícil ver como exterminar 99 por cento do habitat da vida selvagem, como a agricultura fez no Iowa, seja benévolo. No Michigan rural, por exemplo, os cultivadores de batatas têm uma táctica peculiar para tratar dos cervos predadores. Eles dão-lhes tiros na barriga com rifles de pequeno calibre, na esperança de que os cervos se arrastem para as florestas e morram num lugar onde não empestem os campos de batatas.

In O petróleo que comemos – Seguindo a cadeia alimentar até o Iraque

No entanto esta abordagem é eficaz e conquista muitas almas compassivas de fôlego curto para desvendar as profundezas abissais onde jazem as falácias da tese vegana. Para contrapor a isto talvez mostrar as evidências científicas de que uma dieta próxima a dos nossos ancestrais no paleolítico é a mais saudável possa mobilizar as pessoas em busca de uma saúde superior à penúria da atual dieta que vem adoecendo a maioria da humanidade. Eu mesmo, que adotei a dieta paleolítica, tenho dificuldade de fugir dos argumentos de “papagaio” sobre comer de tudo um pouco, dieta balanceada e outras generalidades inócuas que não permitem uma correta discussão do assunto. Dogmas e mantras repetidos à exaustão pela propaganda sobre nutrição e cuidados com a saúde que só engordam os interesses econômicos dos grandes e poucos controladores da produção mundial de grãos e remédios, base de sustentação da nossa civilização voraz por crescimento a custa de recursos não renováveis. Uma mudança mundial da dieta atual para uma não baseada em grãos pode ser vista como uma ameaça devastadora para todo o estamento econômico vigente. E provavelmente recursos poderosos vão ser mobilizados para neutralizar as mudanças e manter o status quo. Um pouco para mitigar a falta de informação acessível sobre o assunto resolvi traduzir alguns trechos do livro de Lierre Keyth (The Vegetarian Myth) que achei pertinentes.

CAPÍTULO 4  Vegetarianos Nutricionais

Comece com a África há sete milhões de anos, porque é onde a vida humana começou. O clima, a criação do nossos ancestrais, nossa querida família de bactérias , fungos e plantas – migrando facilmente do úmido para o seco. As árvores deram lugar a gramíneas e uma maré de savanas onduladas pelo mundo. Aninhados na relva estavam grandes herbívoros. Vinte e cinco milhões de anos atrás, na exuberância da evolução, algumas plantas tentaram crescer a partir de suas raízes, em vez de suas folhas. Pastar não mataria as plantas, muito pelo contrário. Iria incentivá-las, estimulando o crescimento da raiz. Todas as plantas querem nitrogênio e nutrientes pré-digeridos e ruminantes poderiam fornecer aqueles para as gramíneas enquanto pastavam . É por isso que, ao contrário de outras plantas, gramíneas não contêm toxinas ou repelentes químicos, sem impedimentos mecânicos, como espinhos para desencorajar os animais. Gramíneas querem ser apascentados. Foi a grama que criou as vacas; a domesticação humana foi, em comparação, apenas o menor puxão no genoma bovino, e as vacas puxaram de volta com o gene de tolerância à lactose.

Nossa linha direta vivia em árvores, até que as árvores começaram a desaparecer.

Temos dois gumes evolutivos para refletir: os nossos polegares opositores e nossa digestão onívora. Tivemos a capacidade de manipular ferramentas e tivemos corpos equipados com ambos: os instintos e a digestão para lidar com uma gama de alimentos. Alguns animais se alimentam de um único alimento: os koalas comem apenas eucalipto, e as vespas de figo jantam apenas figos. Ser assim é uma aposta; se a sua fonte de alimento falhar, você vai para a bancarrota com ele. Mas um cérebro, que é um enorme dissipador de energia, pode ser pequeno para um animal que se alimenta de forma tão especializada, o que poupa energia para qualquer outra função.

Não obstante o chocolate, os seres humanos não se alimentam de um único alimento. Antes de sermos humanos, quando estávamos morando em árvores, comíamos principalmente frutas, folhas e insetos. Mas a partir do momento em que ficamos em pé, fomos comer grandes ruminantes. Quatro milhões de anos atrás, os Australopithecines, precursores de nossa espécie, comiam carne.

Uma vez acreditou-se que os Australopitecos foram frutívoros: a linha divisória entre o gênero Homo e Australopithecus foi imaginada como sendo o gosto pela carne. Mas os dentes de quatro esqueletos de três milhões de anos de idade em uma caverna sul africana contou uma história diferente. Os antropólogos Matt Sponheimer e Julia Lee-Thorp encontraram carbono-13 no esmalte dos dentes desses esqueletos. O carbono-13 é um isótopo estável presente em dois lugares: gramíneas e os corpos dos animais que comem grama. Esses dentes não mostraram nenhuma das marcas do consumo de grama.

Australopitecíneos comiam animais que se alimentavam de grama, os grandes ruminantes envoltos pela savana.

As ferramentas de pedra estiveram ao lado dos ossos longos de animais extintos, enterrados num longo silêncio, por 2,6 milhões de anos. Juntos, ferramentas e ossos esperaram para contar a sua história, a nossa história. Alguns dos ossos mostram marcas de dentes sobrepostos a marcas de corte ferramenta: um carnívoro mata seguido por um necrófago humano. Outros ossos vão na direção oposta: marcas de corte, em seguida, as marcas de dentes afiados, dizendo que havia um ser humano com um arma, em seguida, um animal com dentes. Nós viemos de uma longa linhagem de caçadores: 150.000 gerações.

Isto é o que nossa linhagem aprendeu e na aprendizagem, nos tornamos humanos. Fizemos ferramentas para tomar o que as gramíneas ofereciam: animais de grande porte carregados com nutrientes, mais nutrientes do que jamais poderíamos esperar encontrar em frutas e folhas. O resultado é a leitura destas palavras. Nossos cérebros são duas vezes maores do que eles deveriam para um primata do nosso tamanho. Enquanto isso, nossos aparelhos digestivos são 60 por cento menores. Nossos corpos foram construídas por alimentos ricos em nutrientes. Os antropólogos L. Aiello e P. Wheeler nomeou esta ideia “A Hipótese do tecido  dispendioso” (“The Expensive Tissue Hypothesis”). O cérebro australopithecínio cresceu para proporções Homo porque a carne deixa os nossos sistemas digestivos encolherem, liberando assim a energia para esses cérebros.

Ou compare os seres humanos aos gorilas. Gorilas são vegetarianos e eles têm os menores cérebros  e os maiores tratos digestivos de que qualquer primata. Nós somos o oposto. E os nossos cérebros, o verdadeiro legado dos nossos antepassados, precisam ser alimentados.

Os vegetarianos têm a sua própria história, uma forma muito diferente do que dizem os nossos ossos e ferramentas, dentes e crânios. “A força real e material de construção vem de vegetais de folhas verdes, onde os aminoácidos são encontrados”, escreve um guru vegano. “Se olharmos para o gorila, zebra, girafa, hipopótamo, rinoceronte, elefante vemos que eles constroem sua enorme musculatura a partir de vegetação verde-folhosas.” Na verdade, se nós realmente olhar para gorilas et al., o que encontramos são animais que contém as bactérias fermentativas necessárias para digerir a celulose. Nós, seres humanos não contemos tal coisa. Este homem escreve livros sobre dieta sem saber qualquer coisa sobre como os seres humanos realmente digerem.

Para a maioria de nós, os organismos sob a nossa pele, dentro de nossas costelas, são território desconhecido. Mas, se deixar de lado a história que almejamos e ouvir nossos corpos, nossa biologia não vai mentir. Aqui, então, está a longa história que as árvores e a savana, gramíneas e rebanhos, tem contado na forma de tecido humano.

Há duas pequenas diferenças entre os seres humanos e cães. Uma delas é que os nossos dentes caninos são mais curtos. O consenso é que o nossos foram em certa época mais longos do que eles são agora, mas que eles encolheram devido ao nosso uso do fogo e ferramentas. A outra diferença é que os nossos intestinos são mais longos, embora claramente longe de ser tão longo como o de uma ovelha. Isto é o que resta de nossa história distante como frutívoros arborícolas. E é o que nos concede o status de onívoros. (…) somos construídos para consumir carne, para a proteína e a gordura que ela proporciona. Drs. Michael e Mary Dan Eades escreveram: “Nos círculos científicos antropológicos, não há absolutamente nenhum debate sobre isso, cada autoridade respeitada irá confirmar que nós éramos caçadores … Nossa herança de comedores de carne … é um fato inescapável.”

Há uma outra versão da história, escrita por seres humanos, e não por ossos e dentes. Esta versão esperou 40 mil anos nas cavernas da África do Sul e através de Eurasia, e é contada em pinturas. Algumas são esquemas, os contornos nus de corpos. Outros são exuberantes, com textura e detalhe, os elementos dispostos de modo que as curvas das paredes forneçam dimensão e movimento. “Estes bisões”, escreve um observador, “parecem saltar de um canto da caverna.” Ou, como Pablo Picasso disse sobre a exibição da arte da caverna de Lascaux, “Nós não inventamos nada em doze mil anos.” Não, não inventamos. E até 40 mil anos atrás, não erámos apenas nós. Os rebanhos selvagens de auroques e cavalos inventou-nos para fora de seus corpos, seus tecidos densos em nutrientes gestando o cérebro humano.

Entrevista com a nutricionista Lara Nesteruk – TV Gazeta

Veja a entrevista recomendada pelo Dr. Souto com a frase: “Eu não poderia estar mais orgulhoso, depois de assistir essa entrevista da Lara”.

Duolingo: “Learn a language for free. Forever.”

https://www.duolingo.com/