Uma lista de tarefas é suficiente | Life Method

Print

Voltar para o índice.

Se a sua vida é organizada de forma simples e você ainda resiste bravamente a abrir mão da simplicidade, mesmo tendo que enfrentar o mundo complexo à sua volta, uma lista simples de tarefas é suficiente. As tarefas entram na sua lista, como numa lista de compras, você as executa e marca como completadas ou, simplesmente as apaga depois de prontas. Como numa lista de compras. Não vamos debater com você sobre isto ser insuficiente na maioria dos casos. No post Escala versus complexidade há uma citação que reproduzo abaixo que expressa bem o problema:

[…] existe uma lei universal e sagrada dos sistemas complexos: “a complexidade de um sistema realizando uma tarefa deve ser tão grande quanto a complexidade da tarefa”.

Mas vamos deixar isto prá lá por enquanto. A sua vida é simples, não?

Uma lista simples é o que oferecem as várias ferramentas de To Do List que existem por aí. Nós vamos usar a Web. Nossa escolha inicial é usar o Google Calendar para fazer a nossa lista. Para manter a coisa um pouco mais manejável vamos renomear o nosso calendário default oferecido pela Google para Inbox. Por que não To Do List? Poderia ser mas queremos começar usando um nome que vamos manter depois. Vamos também criar outro calendário com o nome Done (Veja como em Criar uma nova agenda).

Nota: Para manter os calendários nesta ordem, Inbox e Done, use algum truque baseado em prefixos que você achar melhor.

Mas uma lista de tarefas num calendário não viola a função precípua de um calendário que é agendar compromissos com data e hora para ocorrer? Por que escolhemos o Google Calendar? Bem, o Google Calendar é rápido, funciona bem no celular (é rápido nele também), pode ter facilmente os seus calendários compartilhados na sua totalidade ou para eventos específicos, e tem capacidade offline e sincronização razoáveis.

Mas como vamos conviver com tarefas com data e hora ou somente data (eventos All Day no Google Calendar)? Bem, se são tarefas podemos evitar estabelecer uma hora para executá-las. Criamos eventos All Day para representá-las. Mas ainda assim vamos ter que voltar no tempo para a sua data de criação para que elas apareçam. Mesmo voltando para a data das tarefas ainda teremos que clicar no alto do calendário para ver os eventos All Day. Se estivermos considerando todas as nossas tarefas ASAP o fator temporal é irrelevante. Podemos deixar as tarefas onde elas foram criadas e usar o botão Agenda para ver a lista. Para localizar a data quando foi criado o primeiro evento podemos usar o botão Month. Então, vendo a nossa lista com o botão Agenda podemos começar a executar as tarefas (Todas elas All Day) assim que for possível. Como fazemos com a nossa lista de compras. Quando formos à rua fazemos as compras. Quando tivermos tempo e energia executamos as nossas tarefas. De cima para baixo ou em outra ordem com uma prioridade que está pairando na nossa mente. Cada tarefa executada pode ser eliminada do calendário ou movida para o calendário Done.

Life Method Calendars

O esquema de manejo sugerido acima pode funcionar bem com uma lista simples e não muito grande (e se espera que não cresça muito se você não for dado a uma procrastinação). O calendário não foi projetado para lidar com tarefas e sempre vai haver uma fricção com o nosso uso ad hoc. O uso do calendário desta forma não justifica o esforço. Nos próximos post vamos combinar duas ou três ferramentas Web para o nosso sistema completo para lidar com mais complexidade e dividir o problema.

Introdução | Life Method

Print

Voltar para o índice.

Life Method é um metódico sistema de controle das tarefas que podem alavancar e fazer diferença para a sua vida. Se você não for um pouco metódico ou sistemático o suficiente para organizar sua vida então este método não é para você. Mas a carga é mínima e pode ser ajustada de acordo com o que você é capaz de realizar.

Sou um fã do David Allen e o seu GTD (Já escrevi sobre GTD antes em vários posts). Já tentei várias ferramentas e formas de organizar minhas tarefas seguindo as orientações do GTD. No entanto um dos conselhos que não consegui seguir foi o de não colocar datas nas minhas tarefas. Logo entendi a razão do conselho quando não conseguia cumprir as tarefas e perdia bastante tempo movendo-as para a frente no tempo. O conselho do Allen era para colocar data e hora apenas nos compromissos envolvendo terceiros ou prazos fatais. O resto devia ser classificado como tarefas ASAP (As Soon As Possible). Como eu tinha muita insegurança sobre se não esqueceria de fazer algo importante caso não soasse um alarme para me lembrar de uma tarefa ou eu pudesse filtrar o que deveria fazer primeiro era difícil seguir o conselho.

Há também o problema da “mente do macaco” esvoaçando como uma borboleta no meio do paraíso de néctar oferecido pelas flores, hoje a Internet. Ou melhor seria dizer: pulando de galho em galho?

[…] na meditação o que fazemos é nos tornarmos amigos da “mente do macaco”. A “mente do macaco” é sempre inquieta, quer fazer alguma coisa, sempre quer ter trabalho. Você pode dar trabalho para a “mente do macaco”. Normalmente é ela quem dá um trabalho para você, esse é o problema. Agora você pode dar trabalho para a “mente do macaco”! Agora você pode se tornar o chefe e ser mais livre e a “mente do macaco” se torna o empregado. Mas o trabalho é a meditação! [Ou usar o Life Method! ;-)]

Buda Virtual

Ela está o tempo todo a nos estimular transformando todos em sofredores compulsórios da síndrome DDA. O artigo Meet the Life Hackers, do Clive Thompson (Leia em português), explana abundantemente sobre o tema das interrupções e seus efeitos sobre a nossa produtividade. Fala-se muito que o computador, que iria nos liberar dos trabalhos maçantes e aumentar explosivamente a nossa produtividade, jogou em nossas corcovas de camelo uma acachapante miríade de tarefas e  interrupções que anda enlouquecendo todo mundo. A solução não é o ludismo de quebrar os computadores (o que não seria nem possível pois eles estão “desaparecendo” imersos em objetos mais prosaicos e escondidos em fazendas de servidores tornando-se cada vez mais uma presença ubíqua e ao mesmo tempo invisível, fantasmagórica, arrastando suas correntes virtuais). E não há fuga possível pois estamos imersos no centro desse caos, como no olho do furacão, que ao contrário do que se diz é calmo, e a fuga nos leva para a periferia onde os ventos do nosso fracasso são cada vez mais fortes.  Life Method procura dar um rumo melhor à mente do macaco. A meditação é a solução budista para o problema. Life Method pode ser parecido com uma meditação. Menos contemplativa, mais ativa, “caindo de boca” na vida.

Recentemente voltei a refletir um pouco mais sobre o problema e usando os conceitos do GTD, Eisenhower Square e Time Block (Ver em português) configurei um sistema que parece razoável para o meu uso e que, talvez, faça sentido para você também.

Gregorio Duvivier faz uma crítica inteligente e cheia de humor ao projeto “escola sem partido”

Feyerabend e a depressão

215c79902903fced711037e52e982b3d-girl-hair-hair-quotes

A depressão é tida como o “mal do século”. Não sabemos de qual. Feyerabend, que por causa de sua atitude como cientista expressa no diálogo intitulado “For and Against method”, com Lakatos, sofria de depressão bem o diz sobre como ela gruda na sua pele como uma sarna e invade seu interior como um alien de filme de terror de ficção científica:

“A depressão esteve comigo durante um ano; como um animal, distintamente, uma coisa que se podia encontrar no espaço. Eu poderia levantar, abrir meus olhos, escutar — Ela está aqui ou não? Nem sinal. Talvez esteja dormindo. Talvez ela me deixe em paz hoje. Cuidadosamente, muito cuidadosamente, eu saio da cama. Tudo está em silêncio. Eu vou até a cozinha, começo a preparar o café. Nenhum barulho. TV –Bom dia América-, David Qual-é-seu-nome. Eu como e vejo os convidados. Lentamente a comida preenche meu estômago e me dá força. Agora uma rápida ida ao banheiro e saio para minha caminhada matinal – e lá está ela, minha fiel companheira, a depressão: “Achou que poderia sair sem mim?”.

Wikipedia

 

GREG NEWS com Gregório Duvivier | IMPOSTOS: #NÃOVAMOSLEVARNOTHORBA

I Fim de Semana de Vela

185

Divulgada a programação completa do I Fim de Semana de Vela da Baía de Aratu! O evento, que acontece nos dias 18, 19 e 20 de agosto traz três dias intensos de palestras, regatas, Feira do Rolo, música e muita troca de experiência entre os participantes, que podem aproveitar a oportunidade para disputarem um belo esquente para a Regata Aratu-Maragojipe! Participe!

PROGRAMAÇÃO

Sexta-Feira |18 / 08 / 2017

• 19h: Palestra sobre Meteorologia (AIC) | Palestrante: David Xará
• 20h: Som ao Vivo (AIC)

Sábado | 19/ 08 / 2017

• 08h – Feira do Rolo – Produtos Novos e Usados (AIC)
• 10h – Palestra: Regras de Regata | Travessias e Delivery (AIC)
Palestrante: Leonardo Chicourel

• 13h – Regata de Percurso Baía de Aratu (Veleiros de Oceano) | Regatas Barla – Sota (Optmist)
(Chegada na Marina Aratu)
• 16h – Happy Hour com Coquetel (Marina Aratu)

Domingo | 20/ 08 / 2017

• 08h – Feira do Rolo – Produtos Novos e Usados (AIC)
• 12h – 02 Barla-Sota (Dentro da Baía de Aratu) / Regatas Barla – Sota (Optmist)
• 16h – Coquetel de Premiação (AIC)

Aratu Iate Clube

‘Perdemos a internet para os capitalistas’, diz cofundador do Pirate Bay

03190140653556-t1200x480

Peter Sunde, cofundador do The Pirate Bay, foi entrevistado pelo The Next Web (Ver tradução automática) e entregou um panorama sombrio dos próximos anos da internet. O principal ponto? Os usuários perderam o poder da internet, que está nas mãos das grandes companhias. Além disso, que as grandes companhias hoje são as ditadoras da internet.

Tudo é centralizado e a internet serve apenas aos desejos das grandes companhias

“Tudo deu errado. É isso, não é sobre o que acontecerá no futuro, é sobre o que está acontecendo agora. Nós centralizamos todos os nossos dados em um cara chamado Mark Zuckerberg, que basicamente é o maior ditador do mundo e que não foi eleito pelo povo. O Trump [Donald Trump, presidente dos EUA] tem controle de todos os dados que o Zuckerberg possui, então já estamos neste ponto. Tudo que poderia dar errado deu errado, e eu acredito que não exista uma maneira de acabar com isso”, comentou Sunde na entrevista.

O cofundador da maior plataforma de torrents que já existiu também deixou claro que a internet nasceu “para ser descentralizada”. Contudo, atualmente, tudo é centralizado e a internet serve apenas aos desejos das grandes companhias.

Como exemplo, Sunde comenta que as principais novidades na internet foram compradas e centralizadas por uma das cinco gigantes atuais: Amazon, Google, Apple, Microsoft e Facebook.
“Nós não criamos mais coisas, agora, nós apenas temos coisas virtuais. Uber, Alibaba e Airbnb, por exemplo, possuem produtos? Não. Nós saímos de um modelo baseado em produto para um produto virtual, até chegar ao ponto atual: sem produtos. Este é um processo de centralização que está acontecendo”.

Ética na internet

Peter ainda disse que é necessária uma discussão maior sobre ética na tecnologia, porque as empresas continuarão sempre colocando seus interesses financeiros sobre as necessidades das sociedades e do povo. Caso isso não seja feito, chegaremos ao ponto distópico de uma sociedade gerida por companhias — além do que ela já é.

Nós, como o povo, perdemos a internet para a sociedade capitalista

O pessoal do The Next Web tentou puxar uma declaração mais otimista de Peter Sunde, sobre a possibilidade de luta contra a descentralização. A resposta foi a seguinte: “Nós perdemos essa luta há muito tempo. A única maneira de realizarmos qualquer diferença é limitando os poderes de companhias — com ajuda de governos —, mas, infelizmente, a Europa ou os Estados Unidos não parecem ter interesse em fazer isso”.

“Nós, como o povo, perdemos a internet para a sociedade capitalista. Nós tivemos uma pequena abertura para uma internet descentralizada, mas perdemos por sermos inocentes. Estas companhias tentam soar como boas ao fazer isso, que elas estão ‘lhe dando’ algo. Como o Spotify, que te dá música e possui uma grande paixão por música… E toda a Relação Pública que eles têm. Big Data é como as grandes companhias de tabaco: nós não sabíamos como elas eram perigosas, mas agora sabemos que elas dão câncer. Nós estamos fumando nossas vidas em produtos de Big Data, e agora não conseguimos parar”.

TecMundo