Arquivo do mês: setembro 2013

Kiwi!

Não sei se você ao ver este vídeo acima foi tocado pela mesma tristeza que me acometeu ao vê-lo por minha vez.

Tristeza similar me adveio de saber mais sobre a geopolítica, esta teoria intrincada de estratégias para mapear o mundo segundo interesses hegemônicos, que busca suprir as necessidades dos vários países contendores no cenário internacional. Os entusiasmados conhecedores do assunto, apesar de também serem realistas, revelam o xadrez diplomático, de comércio e militar para se assenhorar do mundo. A guerra, onde a verdade é a primeira vítima, o emporcalhamento ambiental inexorável e toda esta dança do poder infelizmente, ou talvez por uma feliz lucidez, não conseguem me entusiasmar. Só consigo pensar que a civilização “sem asas” me lembra o kiwi da animação acima. Simula um triunfante e ao mesmo tempo desesperado vôo mas só pode obter uma lastimável queda…

Anúncios

Dieta Paleolítica – Parte 8

grok

Posts relacionados.

Mais perda de peso

Interrompo um pouco esta sequência de posts para inserir o gráfico onde mostro a continuidade da minha perda de peso.

peso em 25-09-2013

Fui sozinho de bicicleta até a Fortaleza de Santa Cruz. Antes almocei no Aspargos, no Saco de São Francisco.

The Primal Blue Print 21-Day Challenge

The Primal Blueprint 21-Day Challenge
Learn more at Mark’s Daily Apple.

Dieta Paleolítica – Parte 7

grok

Posts relacionados.

Maluquetes

Mas a história da dieta com alto índice de carboidratos é uma novela de infindáveis capítulos de horror. Lá atrás no tempo não havia esta ética “elaborada” que temos agora. De certa feita resolveram testar os efeitos de uma dieta pobre em carboidratos. Mas como controlar o que o grupo testado come? As pessoas facilmente fazem promessas sobre alimentação e também facilmente as descumprem. Afinal a vida é curta! Como fazer? Alguém deve ter tido uma brilhante idéia. Maluquetes! É claro! Num hospital de malucos é fácil impor o que eles comem. Afinal são malucos! Ninguém liga a mínima. O que uma dieta pode fazer de mal para eles que têm um mal muito maior. Só um arranhãozinho. Vamos lá então! Após um pouco de dieta aplicada um fato surpreendente chamou atenção dos pesquisadores. Os esquizofrênicos tiveram uma drástica redução nos seus delírios! Voltaram à dieta com alto índice de carboidratos e os delírios voltaram. Com mais investigação no futuro descobriram uma substância que agravava os delírios. Exorfinas. Contida no trigo (glútem) e no leite (caseína). E são neutralizadas pelo mesmos medicamentos para tratamento de viciados em morfina. Interessante não? Carboidratos com esta origem dão barato! Por isso você não consegue se livrar deles facilmente.

O meu LDL é maior que o seu

O LDL, famoso colesterol ruim, ainda tem muitas sutilezas. Além de ser calculado e não medido nos exames de sangue que você faz existem outras nuances. Experimente obter o valor do seu LDL subtraindo o valor do HDL e um quinto da medição dos seus triglicérides do colesterol total. Imagino que é calculado porque é mais econômico fazer assim do que medir. Mas a fórmula não vale para qualquer valor dos triglicérides.

Mas voltando às sutilezas anunciadas no início o mais interessante é que as partículas de colesterol podem ter tamanhos variados. Isto nunca me contaram. Descobri no livro Barriga de Trigo. As partículas menores e mais duras são mais suscetíveis de se fixarem nas suas artérias e formar ateromas. As grandes e macias não tem esta característica. Imagine as suas artérias cheias de rugosidades e reentrâncias onde partículas menores, como se fossem pequenas bilhas num plano cheio de búlicas, se alojam facilmente e tem dificuldade de sair. A partículas grandes e macias seriam como leves e grandes bolas de plásticos que resvalariam pelas búlicas sem cair nelas ou ficarem presas. Pois adivinhe o que causa a existência de partículas menores de colesterol no seu sangue.? Carboidratos! E a grandes e benéficas? Gordura!

Qual é mesmo a sua idade?

Até o momento, segundo William Davis no seu livro Barriga de Trigo, não há um marcador aceito amplamente para a idade biológica. Várias propostas envolvendo lesões por oxidação, detritos celulares, diminuição hormonal entre outras foram aventadas. Há também correntes que advogam a inexistência de um marcador simples para a idade biológica. Mas um candidato a marcador desponta, apesar disto, os AGE. A sigla em inglês para Advanced glycation end products  já sugere o processo de envelhecimento (aging) na sua grafia. Os AGE causam ateroesclerose, catarata e demência. Os AGE pelo menos são indicadores das degenerações típicas da velhice doentia. Os AGE são totalmente inúteis e poderiam ser inócuos se não ocupassem massivamente o lugar dos tecidos funcionais. Os AGEs podem vir do exterior, na alimentação, como podem ser gerados internamente induzidos por níveis altos de açúcar no sangue. Alimentos que causam picos de glicemia, tais como os carboidratos e açúcares, provocam a reação de glicação que gera os AGEs.

Dieta Paleolítica – Parte 6

grok

Posts relacionados.

Anõezinhos

Você pode até gostar de ter anões no seu jardim. Apesar de ser bem kitsch pior é tê-los na sua barriga, não? Pois mais de 99% do trigo atual é uma variedade anã obtida por hibridização. Boa para o agro-negócio mas péssima para a sua saúde. O trigo anão é uma espécie de Frankenstein a assombrar a sua saúde com uma penca de mazelas que cito abaixo e, se quiser, mais detalhes podem ser obtidos no livro do William Davis.

Doenças do trigo (causadas ou agravadas):

  • Obesidade
  • Fome insistente
  • Envelhecimento
  • Pele ruim
  • Inflamação
  • PH ácido do sangue
  • Erosão das cartilagens
  • Danificação dos ossos
  • Desordenação da resposta imunológica
  • Doença celíaca
  • Diabetes
  • Doença do coração
  • Câncer
  • Artrite
  • Diabetes
  • Erupções (Psoríase)
  • Esclerose múltipla
  • Esquizofrenia

Grãos neolíticos

Toda esta balela que nos impingiram anos e anos dos grãos saudáveis é mesmo uma suprema calhordice. Nos tornamos gado alimentado com ração de engorda. E é claro, engordamos! Os grãos não existiam no paleolítico como comida disponível. Com o surgimento da agricultura no neolítico é que estas plantas anuais foram introduzidas na alimentação. Antes comíamos plantas perenes. E carne com gordura. Bastante dela. Você deve se lembrar que quando criança quase tinha que apanhar para comer verduras. Ô troço ruim! Uma vez adulto e mais educado insiste em comer verduras pois sabe que elas tem vitaminas importantes para a sua saúde. Mas prefere comer uma salada misturando um pouco de carne, não muita pois carne demais faz mal, lhe disseram, tem toxinas e gorduras saturadas, argh! Pensa que o hábito infantil de não gostar de verduras ainda persiste e por isso usa a carne para tornar a coisa mais palatável. Não pensa nem um pouco que isto é o seu instinto ancestral de comer verduras com a carne para controlar a acidez no seu sangue. A carne aumenta a acidez do sangue e a verdura diminui. O sangue deve ser levemente alcalino. Puxa! Legal não? Por que não comer grãos também com a carne? Porque eles, malvados, aumentam a acidez!

P.S.: Quando escrevi o post acima estava influenciado pela questão da acidez no sangue causada por alguns alimentos. Ajudou no quesito de incrementar o consumo de verduras e obter outros efeitos mais comprovados. Quanto à acidez no sangue o Dr. Souto desmistificou isto no seu post Dois pesos, duas medidas? O pensamento crítico precisa valer para todos.

Dieta Paleolítica – Parte 5

grok

Posts relacionados.

Barriga de trigo e outras mumunhas

Pois na minha peregrinação buscando informações mais atualizadas sobre o colesterol e estatinas me deparei com o blog Low-Carb e Paleolítica. Mantido pelo Dr. Souto, um urologista de Porto Alegre, surpreende pela seriedade e volume de informações de alta qualidade em vários níveis atendendo quem busca algum rigor bem como quem quer indicações práticas. Afora que o autor efetua uma auto experimentação e se comporta como um bom cientista que muda de atitude diante de resultados que contrariam suas crenças previamente estabelecidas. Lendo vários posts quase de imediato vi um vídeo muito engraçado e uma indicação de um livro cuja sinopse me agradou. Barriga de Trigo, de William Davis. Comprei de imediato e o conteúdo se revelou tão convincente que quase que imediatamente abandonei o trigo. Foi só um começo para a consequente reducão dos caboidratos seguida um pouco depois pelo açúcar. No passado a leitura do livro Sugar Blues não tinha conseguido ser tão convincente em relação ao açúcar. Talvez por eu ser mais jovem e “eterno” (o que é praticamente um pleonasmo) naquela época. Esta mudança de paradigma na alimentação logo se revelou dificultosa. Se eu tivesse voltado no tempo em alguma fantástica máquina, a maneira do que descreveu H.G. Wells no seu romance, e parasse nos anos 30 ou 50 provavelmente ninguém se espantaria com esta minha nova forma de dieta. Seria natural.

Coma gordura, cara!

Para reduzir carboidratos é fundamental ter outra fonte de energia. A alternativa é consumir gordura. Mas não qualquer gordura. Deve-se consumir a injustamente demonizada gordura saturada. O que é um tabu. Como disse alguém num comentário no blog do Dr. Souto trocar os carboidratos por gordura saturada é como parar de usar pilhas de rádio e passar a usar pilhas atômicas. Perda de peso, aumento da disposição, ausência de sonolência pós-prandial, redução de sintomas de inflamação, melhor funcionamento dos intestinos e do humor foram resultados surpreendentes obtidos rapidamente a partir da mudança. E tudo isto decorrente em grande parte à sustação da gangorra da glicemia e insulina induzida pelos carboidratos em excesso preconizados pela dieta padrão indicada pelos órgãos governamentais que deveriam cuidar da saúde. Isto é flagrante no depoimento de uma médica que se auto aplicou a dieta paleolítica para melhorar a sua condição de portadora de esclerose múltipla. A conclusão é que uma alimentação correta evita que você necessite de remédios ou intervenções invasivas no seu corpo. No entanto as pessoas confiam muito na ciência envolvida no uso da tecnologia médica corretiva mas, paradoxalmente, duvidam da ciência, mais complexa, devemos reconhecer, envolvida no entendimento e aplicação de medidas preventivas simples para preservar a saúde e não precisar de ineficazes stents, safenas no coração e outras bruxarias. A alimentação é uma dessas medidas com um potencial de habilitar um novo estilo de vida pelo novo patamar de saúde que pode ser atingido. Mark Sisson em seu site advoga não uma dieta paleo mas um estilo paleo de viver, mais alegre e repleto de realizações prazerosas que custam muito pouco.

Estrogênio

Lendo o livro do William Davis tomei contato com informações que não estão dando sopa por aí. Todos já sabem sobre a gordura visceral ser ruim. Mas não sei se sabem que há um processo chamado aromatização que transforma testosterona em estrogênio. Isto mesmo! Aquele hormônio que em excesso causa câncer de mama nas mulheres. Causa câncer também no homem. E a custa da sua virilidade e disposição para a vida. Olhe agora para a sua proeminente barriga cheia de gordura visceral. Suba um pouco o olhar. Estes peitinhos que você, se for homem, tem vieram de lá. Sua barriga virou uma glândula endócrina. Agora produz estrogênio. Cuidado! Não vá arrumar um namorado!