A esposa de Gogol – Parte 6

Ver parte 1.

muc3b1eka-inflable

“Acredite ou não, Foma Paskalovitch” ele, por exemplo, me diria, “Acredite ou não, ela está envelhecendo!” Então, inexplicavelmente comovido, ele, como sempre fazia, pegou minhas mãos nas suas. Ele também acusou Caracas de dedicar-se a prazeres solitários, algo que ele tinha expressamente proibido. Ele mesmo foi tão longe que a acusou de enganá-lo, mas as coisas que ele disse são tão obscuras que eu devo me desculpar por continuar dando conta delas

Uma coisa que parece certo é que nos últimos tempos Caracas, envelhecida ou não, havia se tornado uma criatura amarga, briguenta, hipócrita, e sujeita à mania religiosa. Não excluo a possibilidade de que ela tenha tido uma influência sobre a posição moral de Gogol no último período de sua vida, uma posição que é suficientemente conhecida. Em qualquer caso, o clímax trágico veio de forma inesperada uma noite, quando Nikolai Vasilyevich e eu estávamos comemorando suas bodas de prata; uma das últimas noites que passaríamos juntos. Não posso nem deveria tentar explicar o que o levou a essa decisão, num momento em que todas as aparências, ele se havia resignado a tolerar sua consorte. Eu não sei que novos acontecimentos tinham ocorrido naquele dia. Devo me limitar aos fatos; meus leitores deverão tirar deles o que puderem.

Nikolai Vasilyevich naquela noite estava excepcionalmente agitado. Seu desgosto com Caracas parecia ter alcançado uma intensidade sem precedentes. Sua famosa “pira das vaidades” – isto é, a queima de seus manuscritos, tinham já ocorrido; não se deveria dizer se por instigação de sua esposa ou não. Seu estado mental estava exaltado por outras causas. No que diz respeito à sua condição física; isto era todavia mais triste, e reforçou a minha impressão de que ele estava tomando drogas. De qualquer forma, ele começou a falar em um modo mais ou menos normal de Belinsky, que lhe estava dando problemas com seus ataques na Correspondência Selecta. De repente, eu vi lágrimas em seus olhos, ele se interrompei e bradou: “Não. Não. É demasiado, demasiado. Eu não posso suportá-lo mais “, e outras frases obscuras e desconectado não esclarecidas. Ele também parecia que falava para si mesmo. Esfregou as mãos, sacudiu a cabeça, levantou-se e sentou-se novamente depois de dar quatro ou cinco passos ao redor da sala. Quando Caracas apareceu, ou melhor, quando fomos à noite para o quarto oriental, não se controlou mais e começou a se comportar como um homem velho, sim eu posso colocar dessa maneira, como em sua segunda infância, deixando-se levar por seus impulsos absurdos. Por exemplo, ele me empurrava e continuava repetindo bobagens, “Aí está, Foma Paskalovitch; aí está!” Enquanto isso, ela parecia olhar para nós com uma atenção desdenhosa. Mas por trás dessas “maneirismos” podia se sentir uma verdadeira aversão, uma repugnância que, eu acho, tinha cruzado os limites do suportável. Assim é…

Depois de um certo tempo Nikolai Vasilyevich parecia reunir coragem. Derramou lágrimas, mas por alguma razão pareciam lágrimas mais masculinas. Sacudia as mãos de novo, segurou a minha, andava para cima e para baixo murmurando: “Isso é o bastante! Não podemos ter mais disto. Nunca se viu tal coisa. Como isso pode estar acontecendo? Como se supõe que eu possa suportar isso? e assim continuava. Então ele começou a saltar sobre a bomba furiosamente, de cuja existência parecia ter de repente se lembrado, e com a bomba na mão, correu como um turbilhão para Caracas. Inseriu o tubo em seu ânus e começou a inflá-la… Em lágrimas, gritou como um possuído, “Oh, como a amei, como a amei, minha pobre, pobre querida! … mas ela vai explodir! Infeliz Caracas, a mais patética entre as criaturas de Deus! Mas você deve morrer!” e assim, alternava uma coisa ou outra.

Ver parte 7.

Anúncios

Uma resposta para “A esposa de Gogol – Parte 6

  1. Pingback: A esposa de Gogol – Parte 5 | Crab Log

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s