Er ist wieder da (Ele está de volta)

“”snake_egg_by_kaileighblue

No filme A sombra do vampiro um ator encarna o personagem de tal forma que paira a dúvida. Não se pode acreditar que é um vampiro e ao mesmo tempo acreditar que vampiros não existem.

er-ist-wieder-da-teaser-trailer-2015-bild-news-2

Hitler não existe mais. Morreu em seu bunker. Mas vive em cada facista obrigado a se esconder  sob a máscara de um democrata. No filme “Ele está de volta“, baseado no livro de  Timur Vermes, Hitler é visto como um ator histriônico. É confundido com os personagens de atores que o encarnaram. A comédia suplanta a tragédia. E é mais séria do que ela. Antes foram os judeus. Agora temos os árabes e os imigrantes em geral no processo de colonização reversa da Europa. Hitler ainda tem material para compor a sua sinfonia macabra. Para construir o seu “piano”. E tocar e manipular as teclas que representam o povo. Seu volks. Inclusive as teclas pretas, como afirma no filme. E a TV é sua grande arma de “propaganda”. Vendo a TV vomitando “lixo” Hitler, no filme, vê uma grande oportunidade. Parece visionário mas é apenas uma constatação. Uma vidência do passado.

O século XXI recepciona o fascismo de braços abertos. Não como uma piada macabra. Não como um farsa. Seriamente. No Brasil testemunhamos seu espectro. A TV, citada no filme já vomita seu lixo fascista diuturnamente, e não é no mundo da ficção. A Europa acuada se refugia dos refugiados que ela mesma engendrou com seu colonialismo que abandonou carcaças para trás. Os EEUU ressuscitará a sua invenção. A eugenia. A maré geopolítica, abraçada com o que há de mais negro das entranhas do século XX, o totalitarismo, quer tragar tudo para o bem dos novos estados: as irmãs do ouro negro.

A violência contida extravasa, de modo preocupante, durante a filmagem, conforme a citação abaixo:

Uma mulher confessa a Hitler que todos os problemas da Alemanha estão com a chegada de estrangeiros. Outro homem diz que a chegada de imigrantes africanos está rebaixando o QI do alemão em 20%. E em uma cena particularmente preocupante, Hitler facilmente convence um grupo de torcedores de futebol a atacar um ator que fazia comentários anti-alemães. Para o diretor, a produção não esperava que o Hitler de Masucci convencesse tão rapidamente aquele grupo, colocando em risco a vida do ator e obrigando técnicos e câmeras intervirem imediatamente.

Em “Ele Está de Volta” o século XXI recebe Hitler de braços abertos

O mal é banal.

[Atualização] Li também o livro. Acho que este é, talvez, um caso raro de que o filme supera o livro. No livro você é levado bastante para dentro da cabeça do Hitler “ressucitado”. Mas no filme, embora haja disto também, o visual expõe melhor o nazismo como uma peça de “propaganda” que ele é. Eles inventaram isto. E estamos acostumados com isto. É o seu maior legado. E com isso não o estranhamos devidamente como deveríamos.

[Atualização] Lendo o livro Auto-engano do Giannetti descobri que Goebbels é o autor da metáfora do “povo-piano”:

Con­si­de­re, por exem­plo, o la­bi­rin­to de en­ga­nos da­que­la que foi tal­vez a mais te­ne­bro­sa ex­pe­ri­ên­cia co­le­ti­va até hoje vi­vi­da por uma co­mu­ni­da­de hu­ma­na — o na­zis­mo ale­mão. En­quan­to Hi­tler con­fi­den­ci­a­va a um co­la­bo­ra­dor ín­ti­mo o seu “es­pe­ci­al pra­zer se­cre­to de ver como as pes­so­as ao nos­so re­dor não con­se­guem per­ce­ber o que está re­al­men­te acon­te­cen­do a elas”, o me­fis­to­fé­li­co Go­eb­bels, mi­nis­tro da Cul­tu­ra do Rei­ch, jac­ta­va-se de de­di­lhar na psi­que do povo ale­mão “como num pi­a­no”.

Auto-engano, Giannetti

E mais adiante, no mesmo livro, Giannetti fala da composição parcelar que engendra o movimentos das massas em apoio aos delírios totalitários salvacionistas:

O todo pode ser igual, mai­or ou me­nor que a soma das par­tes; mas ele é in­con­ce­bí­vel sem elas. O co­le­ti­vo não exis­te por si: ele é a re­sul­tan­te agre­ga­da — mui­tas ve­zes com pro­pri­e­da­des no­vas — da in­te­ra­ção en­tre um gran­de nú­me­ro de gru­pos me­no­res e in­di­ví­duos. O auto-en­ga­no co­le­ti­vo de gran­des pro­por­ções, como a In­qui­si­ção ibé­ri­ca, o na­zis­mo e o co­mu­nis­mo so­vi­é­ti­co, é a sín­te­se de uma mi­rí­a­de de auto-en­ga­nos in­di­vi­du­ais sin­cro­ni­za­dos en­tre si. O de­lí­rio do todo é o re­sul­ta­do da con­flu­ên­cia dos de­lí­ri­os das par­tes. É no mi­cro­cos­mo do in­di­ví­duo que en­con­tra­mos o ber­ço e o lo­cus do re­per­tó­rio do auto-en­ga­no em sua es­pan­to­sa di­ver­si­da­de.

Auto-engano, Giannetti

Links relacionados:

Spoiler a seguir:

Mais para o final do filme, quando o “descobridor” do Hitler já anda meio desconfiado de que ele é mesmo o verdadeiro, ocorre uma cena interessante e sutil. Hitler está contemplando a “natureza”, em acordo com o mito nazista da natureza, com um copo de plástico na mão de onde tinha acabado de consumir o conteúdo. Neste momento é observado atentamente pelo seu agente descobridor. De repente se vira, abandonando a sua comtemplação, lançando o copo ao chão sem a mínima preocupação. Gesto impensável em nossos tempos “ecologicamente corretos”. Uma comprovação flagrante de que ele não era do nosso tempo.

Anúncios

Uma resposta para “Er ist wieder da (Ele está de volta)

  1. Pingback: Retrospectiva 2016 | Crab Log

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s