Aruba – Curaçao, 21 de novembro

Fizemos a travessia à noite. Como vantagens desta estratégia podemos citar: o fato de sair à noite de um lugar conhecido e chegar pela manhã num lugar menos conhecido pelo nosso piloto; não perder horas de luz diurna na próxima ilha; e aproveitar a temperatura amena durante a noite. Perto de Aruba o mar estava calmo. Quando nós afastamos as ondas aumentaram e o barco caturrava ferozmente. Eu que estava aguardando meu quarto dormindo num saco de dormir no convés da proa tive que entrar quando um borrifo mais forte da onda lavou o meu rosto e um pouco mais. Era muito arriscado andar perto da amurada da proa que é mais baixa que as laterais. O piso estava encharcado e um escorregão mais forte poderia machucar o pé nas costelas aparentes nas amuradas. No processo não fiquei sabendo onde foram parar as minhas sandálias.

No final do meu primeiro quarto comecei a ficar um pouco enjoado apesar de ter tomado um comprimido anti-enjoo. Acho que inclusive piorei a coisa ao tomar a água tônica gaseificadas. O piloto automático guiou o barco muito precisamente. Nossa tarefa basicamente se configurava em vigiar rota para uma possível falha do piloto automático e observar as luzes a vante e à ré na direção do horizonte que pudessem representar alguma ameaça de colisão. Em qualquer caso acordaríamos imediatamente o nosso piloto. As desvantagens de fazer a travessia à noite? Penso que são não ver obstáculos não sinalizados com luzes e a sonolência causada pelo sono entrecortado.

Neste momento estou no meu segundo quarto. Mateus é o meu parceiro de quarto de vigília. As ondas estão bem menores do que no primeiro quarto onde lutávamos com ondas maiores numa permanente montanha russa. O barco parecia aquele rebocadores onde as ondas de uma borrasca explodem na proa. Fiquei imaginado o quanto chacoalharíamos numa tempestade. Andar dentro do barco parecia uma escalada de alpinismo com somente as mãos. A coisa é medonha mas o barco é bem marinheiro.

No nosso próximo destino não pretendemos, eu e Mateus, mergulhar com garrafa. Devemos fazer snorkeling e flanar pela ilha. Aguardaremos Bonaire para fazer mais um mergulho autônomo. Quero  também ver se consigo comprar alguns eletrônicos para o meu barco em construção.

Passei o quarto agora. Estamos a cerca de 11 km de Curaçao. A velocidade é de 6 nós. Devemos chegar em uma hora. Vou deitar-me um pouco.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s