Domingo de Dingue

Velejamos de Dingue hoje. Alugamos de 13 às 15 h na Marina da Glória. Foi tranquilo e fomos eu, Mateus e Ortis. O tempo melhorou a tarde e o sol apareceu. O vento também foi bom. Não estava querendo mesmo um pé de vento na minha primeira experiência timoneando um Dingue, ainda mais com passageiros.

O movimento de barcos na Baía de Guanabara estava bem intenso (na minha opinião). Havia regatas de veleiros de oceano e Optimist. Uma mudança de hábitos de velejador solitário nas águas quase desertas de embarcações da foz do Rio Real entre o estado de Sergipe e Bahia, lá perto de Mangue Seco onde a Tieta de Jorge Amado perdeu as botas, para o rush e a profusão de obstáculos nas imediações da Marina da Glória.

Chegamos a ir até a entrada de enseada de Botafogo e também até um pouco para o meio da baía e um pouco antes da raia da regata dos veleiros de oceano. A sujeira da águas da baía entristecem qualquer velejador que goste de sentir o borrifo de água salgada na boca (desde que seja água limpa). Lembrei-me de que abandonei o velejo no Rio Sergipe por causa da poluição em favor da foz do Rio Real apesar de ter que me deslocar cerca de 60 quilometros para isso.

A velejada transcorreu tranqüila e apenas um incidente de uma pequena invasão da área de exclusão em frente à cabeceira do Santos Dumont deu nos a impressão que os aviões haviam cessado de levantar vôo (piada do Ortiz: “vamos esperar que aqueles babacas num barquinho saiam para não serem soprados pelas turbinas dos aviões”).

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s